A falta

A falta é buraco sem fundo em noz dura

Em água corrente é força que fura

Paredes, janelas e os mais altos muros

Que forjam conforto em forma de lua

Morada lá em cima fulgura aos olhos

Teimosos que fogem do mesmo da rua,

De faltas, buracos, asfaltos sem curva

Que esfriam a fala, a troca, e a gula

Murmura memória de dias de chuva

Chovida em prantos, em campos da tua

Eterna loucura tornada ternura.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: